Páginas

A homenagem polêmica da Marisa

A Marisa, marca brasileira de fast fashion voltada especialmente para o público feminino, andou dando algumas bolas foras em seus últimos comerciais repetindo alguns clichês machistas ou insinuando que as mulheres devem fazer sacrifícios alimentares, saboreando "refeições mais tristes" para poder aproveitar o verão como objeto de desejo dos homens.

A quantidade de votos de "não gostei" no vídeo do VT "Homenagem" no YouTube serve de termômetro da insatisfação de várias consumidoras, que afirmam que o vídeo reforça a ideia de que é preciso passar fome para poder vestir um biquíni e ser desejada.



O que impressiona é um comercial desse tipo vindo da Marisa, que é uma das lojas de fast fashion que mais atende ao público plus size, oferecendo maior variedade de peças de numeração grande em comparação às suas concorrentes.

Infelizmente, parece que o mesmo não acontece com a linha de moda praia. Será que não seria mais interessante para a Marisa mostrar que todas as mulheres, e não apenas as de abdômen sarado e sem celulites, podem usufruir o verão? E aproveitar para produzir também biquínis e maiôs plus size, saindo na frente da concorrência? Infelizmente, parece que não.

E vocês, o que acharam do comercial?

11 comentários:

  1. Nao tem nada demais no comercial. Vamos parar com o auto-preconiceito, fazendo favor!

    ResponderExcluir
  2. Achei a propaganda de mau gosto.

    ResponderExcluir
  3. Acho que o fato das mulheres comerem mais salada para poderem "entrar" nas roupas, não tem nada demais, na verdade a gente vê isso o tempo todo. E salada é saudável, todo mundo sabe disso!
    Mas se o pessoal acha que tomar sorvete e comer bolo vai ajudar a ficar mais bonita, fazer o que? Hehehe!
    Eu acho apenas meio lógico que se a gente come direito, a gente vai ter um corpo mais legal, obviamente sem exageros anoréxicos! Ninguém precisa deixar de fazer uma "gordice" de vez em quando!
    Concordo com o comentário da Michelle. =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A questão é que o comercial só relata fatos. As mulheres fazem sim essas coisas pra ficarem de bem consigo mesmas. Não vejo preconceito, ditadura, padrões, nada.

      Excluir
    2. e acrescento: o povo tá acostumado a fazer EXATAMENTE o que manda a mídia. Alguém viu uma ameaça aí? Se não fizer desse jeito vc n é bonita, não poderá usar nossas roupas? Aprendam a ter opiniões próprias, n se deixem influenciar pela mídia. Esse e mil outros comerciais a gente ver a propaganda, se for de interesse, adere, caso contrário, ignora. Simples

      Excluir
    3. Eu acredito que também há espaço para debate. Se a publicidade for do nosso interesse, aderimos, sim; caso contrário, debatemos, questionamos, protestamos - está no nosso direito como consumidores e, principalmente, como cidadãos. Podemos ir além do ignorar.

      Excluir
  4. Só acho que em um país tão variado como o nosso, onde apenas uma minoria é magra e tem corpo de modelo, a propaganda da Dove parece ser mais realista!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Dove teve um posicionamento de sucesso com a sua campanha "pela real beleza". Penso que a Marisa, justamente por ter um público plus size forte, seria melhor sucedida indo por esse lado do que pelo dos sacrifícios alimentares em prol de um corpo esguio.

      Excluir
  5. Poxa... Essas comidas (a quem ela agradece) são saudáveis, sim. Mas a moça fala que elas tornaram as refeições menos alegres. E no fim a gente vê que o esforço que ela fez foi pra usar roupinhas curtas e biquini. Pra que trazer essa ideia de que a mulher precisa passar por essas privações pra ter um verão feliz? Que comercial vazio.

    ResponderExcluir
  6. Concordo que muitas mulheres fazem os mais absurdos sacrifícios para conseguirem entrar numa roupa, principalmente no verão. Mas conheço muita gente (muita, muita, muuuuita mesmo!) que tem uma alimentação saudável, come salada, chuchu e todas essas comidinhas "tristes", praticam atividades físicas e tudo o mais, mas não tem esse corpo de modelinho que a propaganda quer passar. A questão não é ter uma vida saudável, mas sim que cada biotipo é diferente. Tem gente que é mais "corpuda" mesmo, tem naturalmente mais curvas, mais "volume", se entupindo de bolo e sorvete ou não. Essas pessoas não tem direito de ter um verão super feliz da forma como são? Tudo bem, até que podem ter um verão feliz... mas o verão MAIS feliz será o seu, já que você se privou o suficiente para caber naquele biquíni minúsculo que tanto queria.
    Uma outra observação que acho válida: nem todo mundo que é considerado "acima do peso" está nessa situação porque come besteiras em vez de salada. Existe muita gente com problemas de saúde que influenciam diretamente no peso, assim como tem muita gente que se mantém um pouco mais "cheinha" porque prefere assim, pq se amam daquele jeito e não acham que ficariam bonitas de outra forma. Isso não significa que elas não mantém uma vida saudável, não significa que elas tenham colesterol alto. Acreditem ou não, dá pra não ser uma modelo de revista e ainda assim ter saúde.
    Mas acho que o pior aí é a questão de um verão "mais feliz" associado aos olhares masculinos, e que isso só vai acontecer se eu passar o ano inteiro comendo alface com cara de poucos amigos.
    Quer dizer que pro meu verão ser feliz eu preciso de homens virando a cabeça quando eu passar de biquíni? Pro meu verão ser feliz eu preciso ser vista como uma mercadoria em exposição? Nada contra quem tem essa convicção de vida, cada um que escolha suas prioridades, mas muitas mulheres não pensam dessa forma e, muito pelo contrário, acham até ofensivas atitudes como essa.
    Mas mesmo que a marca quisesse ir por esse lado, explorando o sonho da mulher de se sentir "desejada" e admirada pela sua beleza, existiriam mil formas de fazer isso de um jeito mais humano.
    Chamaria muito mais atenção uma propaganda como as da Dove (como foi citado aí em cima), mostrando mulheres "de verdade". Não apenas mulheres "plus size", mas mulheres normais, que até fazem dieta para se sentirem melhor num biquíni, mas que ainda tem algumas gordurinhas localizadas, mulheres que vestem tamanho 42, mulheres com quadris largos, seios naturalmente grandes, algumas celulites aqui e ali, negras, loiras, morenas, orientais, de cabelos crespos, lisos e ondulados, curtos e compridos... Todas lindas e deslumbrantes do jeito que são. Afinal, quantas mulheres brasileiras que vocês conhecem tem um corpo como o dessa modelo?
    Não dá para se sentir "desejada" com o corpo que você tem, destacando aquilo que você mais gosta e tentando disfarçar aqueles detalhezinhos que tanto lhe incomodam?
    Acho que seria uma boa ideia a marca explorar isso por esse ângulo, mostrando que todo mundo pode se sentir bem e bonita com o modelo certo de biquíni ou maiô, e que esse modelo você encontra na loja deles.
    Penso que seria muito melhor promover uma marca inclusiva, que atende aos mais diversos tipos de corpo. Uma loja onde você possa entrar sabendo que vai encontrar ali um biquíni ou maiô que ressalta a sua beleza e que realmente caiba em você, e não que você tenha que tirar leite de pedra pra caber nele. Entendem a diferença?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aplausos para Dany, só podia ser minha irmã. /risos S2

      Excluir

Obrigada por participar do Diva Genérica. Não esqueça de deixar o link do seu blog para que possamos retribuir a sua visita!